Economia

Tendência é comércio manter recuperação nas vendas, aponta IBGE

O crescimento do comércio varejista tende a avançar no mês abril, em relação a março deste ano. Divulgado hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estudo mostrou que as vendas de março em comparação com as de fevereiro cresceram apenas 0,3%; abaixo do avanço de 3,8% de fevereiro e de 6% em janeiro.

A redução do Impostos sobre Produtos Industrializados (IPI) para máquinas de lavar, fogões e geladeiras, e a recuperação do crédito são fatores que devem influenciar esse avanço, de acordo com o economista do IBGE, Reinaldo Silva Pereira.

"Não posso dizer se vai melhorar ou não, mas se olharmos os efeitos da retirada de impostos da linha branca, pode ser que na pesquisa de abril tenhamos uma melhora", afirmou. Para ele, também apontam nesse sentido as altas consecutivas do indicador, depois das quedas no final de 2008, quando os efeitos da crise financeira se acentuaram.

Outro fator que deve puxar o crescimento é o fato de o feriado de Páscoa ter caído no mês de abril e não em março. "Em 2008, a Páscoa e o aumento das vendas foram em março. Então, a minha base de comparação é maior, o que puxou o resultado [de março] para baixo", explicou ao comentar o crescimento de 0,3%.

Segundo o IBGE, o setor de hipermercados e lojas de departamento, que têm forte movimento nessa data e pesam 57% na composição do indicador, registraram queda nas vendas de 2,2%, no mês.

Por outro lado, a redução de imposto para veículos e materiais de construção contribuíram positivamente para o varejo. Em relação a fevereiro, as vendas cresceram em oito das dez atividades pesquisadas. Os destaques são: Veículos e Motos (3,9%) e Material de Construção (3%)